domingo, 21 de dezembro de 2014

Natal na Alemanha

Voltei! Mais cansada do que nunca, ja que a Elisa agora resolveu dispensar as sonecas da tarde.
Como prometi, vou comentar um pouco da cultura alemã. Como estamos com um pé no Natal, achei legal começar por esse tema.
Enquanto no Brasil, o foco é comida....rsrs ( oh, saudade!), nos estados unidos decoração ( tudo lindo, sempre na base da competição), aqui existem varias coisinhas que fazem do Natal uma data muito gostosa. Estou claro, comparando as culturas que vivenciei, mas sei que todas tem seu charme nessa época.

Um detalhe que adoro aqui é que a decoracao não tem a ver com "a maior, com mais luzes, com a melhor arvore" e sim com criatividade e simplicidade. Vejo as casas com enfeites que misturam folhas secas, pinhas, enfeites de madeira, papel, etc. A ideia é deixar o clima aconchegante. As pessoas acendem velas dentro de copinhos de vidro apropriados ( e seguros) quando chegam visitas. Servem cha e biscoitinhos de Natal feitos em casa.
Toda mulher parece saber fazer os tais biscoitos. Ano passado eu comprei um livro de receitas mas não fiz nenhum porque só vomitava ( efeitos da gravidez), mas esse ano tirei o livro do armário e entre uma mamadeira ou outra, uma chorada ou outra da Elisa, consegui assar 4 tipos diferentes. Não saíram tao bonitinhos como os da minha sogra, mas para a primeira vez, estão ótimos!

Outra coisa interessante é que enquanto estamos no Brasil correndo para dentro das lojas para se refrescar com o ar condicionado, aqui o frio é cortante do lado de fora. Esse ano temos ate entao suaves  3, 4, 5 graus ( sim, SU-A-VES !), mas normalmente é terrivelmente frio. Dentro das lojas, pelo contrario, quente demais e sempre temos que tirar casaco, luvas, tocas. Imaginem o trabalho fazer isso de loja em loja.

Neve? Depende muito da região do país. Todos torcem para um Natal branquinho ( sem preconceito...kkk), mas nem sempre neva em dezembro. As vezes so acontece em janeiro. Esse ano, por exemplo, estou achando pouco provavel.

Quanto a comida, fica dificil falar, porque só comi em 3 lugares nos ultimos anos: na sogra, na cunhada e no meu doce lar, mas normalmente ha peru com um molhinho da propria gordura que eu amo, repolho roxo refogado ( não gosto muito no Brasil, mas aqui o povo sabe fazer repolho), batatas cozidas ou umas "bolotas" que lembram um pouco polenta, porem são feitas com batata amassada. Delicia tambem! 
Para os preguicosos, existe a possibilidade de usar um aparelho chamado "raclete", que existe no Brasil, mas que eu não conhecia ate entao. Cada um preenche sua pequena "grill" com queijo, milho, carne, vegetais, azeitona e o que mais couber e poe no aparelho para grelhar sobre a mesa. Ou entao fazem o "foundue" clássico, com gordura para fritar carnes e legumes. Não acho muito coisa com cara de Natal, mas é bem usado aqui quando a pessoa não quer passar o dia ralando o umbigo no forno/fogao. No Ano Novo acho uma ótima ideia. Quero comprar uma "Raclete"assim que passarem as festas, em promo, claroooo!

O que acho mais bonito são as feiras de Natal ( " Weihnachtsmarkt). Tem de tudo para comer: salsicha grelhada ( clássico aqui), crepe, sopas, pao com presunto fresco, salmão defumado assado na telha, hot dogs de meio metro ( simmm), batata frita, morango com chocolates, doces e mais doces e o melhor, que aquece a alemaozada...kkkk....VINHO QUENTE. Nao o vinho quente doce que temos no Brasil, um mais gostoso que não enjoa e com vinho de qualidade.
Alem disso, tem varios enfeites de Natal, artesanato, carrossel para as crianças, etc, etc.
 Chega de bla-bla-bla....melhor ver um pouco disso no video, certo?! Ate tinha feito meu próprio video, mas dai achei esse muuuito melhor no you tube. Mostra tudinho. Espero que gostem. Eu acho super legal saber o que acontece fora da nossa bolha chamada Brasil, entao fico feliz de compartilhar o que ja vi por aqui.
Nao sei se volto para fazer mais um post, entao ja desejo a vocês um feliz e abençoado Natal. Que vocês estejam rodeados de muito amor e paz.

Beijos!


quarta-feira, 26 de novembro de 2014

A vida aqui na Alemanha

Lembram que comentei no ultimo post que queria manter o blog flexivel? 
Entao, juntando a ideia da blogueira MMaria e um pedido de outra amiga para contar como as coisas são por aqui, resolvi incluir no blog algumas curiosidades sobre a Alemanha.
Cheguei ate a pensar em fazer um blog separado, mas gosto tanto desse que acho que meu coracao não teria lugar para um novo.
Bom, entre um post ou outro vou incluir um pouco da cultura alemã, comidas, cotidiano e etc. Nada tao formal ou complicado, porque nem moro a tanto tempo aqui, mas queria contar para vocês porque gosto tanto  daqui e porque as vezes não gosto...rs.
Nada didatico ou no estilo "google wikipedia". Fotos, videos e coisas interessantes ( ou nem tanto...kk).

Tudo sera norteado de acordo com minhas vivências, entao não sera possivel comparar com outras partes do país, onde as coisas são diferentes. No Sul da Alemanha, por exemplo, tudo é muito mais tradicional e ate a lingua é um pouco diferente.

Quando vou para o Brasil, fico super receosa de contar muito sobre aqui porque vejo a cara das pessoas de " la vem a chata que mora na Europa e fica comparando". Ate mesmo minha família reage assim. Uma pena, porque queria compartilhar um pouco do meu mundo, ja que eles não estão por perto para participar. Alem disso, acho que perdem de aprender um pouco sobre o que existe fora da "bolha", ou seja, alem do mundo que conhecem.

Eu sempre pensei assim e me animava horrores quando professores de ingles contavam coisas sobre os EUA ou Inglaterra. Ou quando conheci meu marido e ele comentava sobre a vida na Alemanha. Não me fascinava ser na Alemanha, e sim o fato de imaginar um mundo diferente do que conhecia no Brasil. Alem disso, ele sempre contou com um humor que eu amo nele.
Enfim, continuo na ansia de conhecer coisas novas e ja planejo ir para China com marido ( que ja conhece la) assim que a Elisa crescer um pouco e ficar com a vovó....hehehe

Obviamente, continuarei contando outras coisinhas que ando fazendo, sobre a Elisa, projetinhos e sonhos. No meio tempo, estarei no Brasil e esse sera meu tema ( maravilhaaaa!), mas sempre que surgir chance volto ao tema...

 "Vida na Alemanha".


Em breve: o Natal alemão.


Um beijao e otima semana!








quarta-feira, 19 de novembro de 2014

Duvida

oi meninas,


nao tinha muito pra contar, mas resolvi passar para dar um oi, entre outras coisas.
Os dias estão passando rápido e logo ja é Natal. Uau! Esse ano voou, não é mesmo?!

Estou sem novidades. Sempre na correria entre cuidar da Elisa, da casa, encontrar as outras mães para a massagem nos bebes. 
Andei pensando sobre o conteúdo do blog. Desde o inicio queria que fosse um blog neutro, ja que nunca fui oficialmente tentante, mas agora com a Elisa por aqui, os assuntos rodeiam sempre a vida de mae. Fora desse mundinho, não acontece muita coisa para contar.
Nao estou reclamando, alias adoro essa nova vida, mas seria sim bom ter um tempo para as minhas coisas. 
Sobre tempo, andei conversando  muito com o marido. Precisamos achar alguem para cuidar da Elisa algumas horas por dia. Primeiramente porque quero voltar a fazer aulas de alemão, procurar um emprego. Segundo porque preciso sim de um tempo para mim.
Nao quero porem ficar muito tempo longe dela, entao estamos falando de algumas horas por dia.

Acontece que "bercario" por aqui é caro. Mesmo! A partir de 3 anos de idade é de graca, mas ate la terei ficado louca só em casa. Não faz sentido porem, arrumar um emprego para ganhar o valor que pagaria pelo Berçário.
Outra opcao seria "cuidadoras". Sao mulheres que fazem um curso, recebem licença na prefeitura para olhar crianças em casa. Tudo muito organizado e no máximo 5 crianças por pessoa. O problema é que seria o mesmo valor do Berçário, ou seja, caro, fora de um ambiente escolar e junto com crianças de outras idades. Não me agrada muito a ideia.
A terceira opcao seria ter uma au pair. 
Au pair é uma baba que normalmente vem de outro país, cuida da criança e aproveita a oportunidade para aperfeicoar a lingua e conhecer uma nova cultura. Recebe uma quantia por mês para os gastos pessoais ( cerca de 800 reais) e para pagar um curso. A família tem a obrigação de prover um quarto, comida e 15 dias de ferias ao ano.
Eu fui Au pair nos EUA por 2 anos e aprendi muito nesse tempo. Modestia a parte, fui uma  ótima au pair. Cuidei de uma menina de 1 ano no meu primeiro ano e de um menino de 1 ano no segundo ano do meu intercâmbio. 
Brincava bastante, preparava a mala da crianca com tudo ( e mais um pouco) antes mesmo da mae pedir, levava no parque, na biblioteca, etc. Cuidei de cada um como se fosse meu próprio filho e por isso acho dificil agora estar do outro lado, como "host mother" ao invés de au pair.
Gostaria de encontrar alguém assim como eu fui. Mesmo as vezes cansada, ou de saco cheio....rs. cumpria minha obrigação com gosto, afinal meu ganho também era diário: aprendizado. 
Achar uma boa pessoa para cuidar de uma criança nao é tarefa facil, ja que voce conhece um profissional com o tempo de convívio. De outra cultura entao, mais dificil ainda.
Bom, mas isso ainda é só uma das possibilidades e custaria um pouco mais do que as outras opcoes. Vantagens: horários flexiveis, exclusividade no cuidado com a Elisa.
Desvantagens: um pessoa estranha em casa, encontrar a pessoa certa.

Minha ultima opcao seria ficar em casa nos próximos 2 anos e meio e cuidar eu mesmo da Elisa. Nesse caso, não melhoraria meu alemão tao rápido, não poderia voltar a faculdade logo e nem procurar um emprego.

Oh duvida! 
Se estivesse no Brasil, as coisas seriam diferentes. Teria mais opções, mais baratas, mas não todo o resto que gosto daqui. Complicado! Não da pra ter tudo nessa vida.

Eh isso...
Bjao

Ah! Dia 13 de janeiro estamos pisando em terras brasileiras. Mal posso esperar!

segunda-feira, 3 de novembro de 2014

Leitura

Faz tempo que queria comentar sobre um livro que comecei a ler ainda na gravidez e não consegui terminar. Por que sera mesmo? rs

Primeiramente, gostaria de comentar que não me apego a livros com tecnicas e métodos para educar criancas. Deve ser porque trabalhei a vida todo com Ed. Infantil e ja vi metodologias funcionarem muito bem com certas criancas e não com outras. Acho importante ser flexível e manter a porta aberta para um pouco de tudo.
Fiquei ate tentada a comprar alguns quando estava gravida, mas desisti, porque sei que jogaria dinheiro fora. Porem, um me chamou a atenção. Se chama " crianças francesas não fazem manha", da escritora americana Pamela Druckerman.



Talvez porque eu esteja morando na Europa ou porque o titulo é convidativo, fiquei curiosa e pedi para um amigo trazer do Brasil.
A autora aborda  o comportamento das crianças francesas em comparação com o das crianças americanas, a partir da sua própria experiência e da maneira como os pais franceses entendem o ato de educar.
Como muito da maneira de pensar dos americanos, tambem se aplica a maneira de pensar dos brasileiros, achei interessante o desenvolver do livro.
Acabo lendo e comparando com a realidade aqui na Alemanha tambem.
É uma leitura leve e prazerosa. Vale a pena como material de reflexao, mas não tomem o livro como manual. Tem coisas que li, por exemplo, e não acredito que se aplique bem a toda realidade.
Continuo lendo  e assim que terminar, digo o que realmente achei. Ate agora, estou gostando.
È um bom presente para as tentantes, gravidinhas, amigas com crianças, professoras, etc.

Alias, ja estou ate pensando em seguir a linha da autora e escrever " Crianças alemãs são mesmo crianças"...rsrsrs. Tem muita coisa boa que aprendi na cultura daqui.

Fica a dica!


Beijao
( correndo para atender a Elisa, que esta chorando...kkk)




oi meninas,

voltei por aqui. Precisava mesmo de um tempo para respirar e repensar meus sentimentos.
Os ultimos dias nao foram fáceis mas o tempo aliviou a dor da perda do meu sobrinho(a). O fato da minha sogra ter vindo passar a semana conosco ajudou muito. Me distrai e tive tempo para ligar todos os dias para minha irma e conversar. Da perda, de outras coisas....tentei como pude ajuda-la.
Confesso que ainda tenho vontade de chorar quando falo do assunto. Ela diz que ja não chora mais, mas sei que esta guardando a dor. Chorou horrores dias depois, quando o leite desceu e teve que tomar remédio para parar.
Quase 2 semanas apos o aborto, teve que voltar ao hospital para a "raspagem" do utero. O medico, não sabemos por qual motivo, não fez logo apos o aborto e tb disse que não seria necessário. Acabou sendo e minha irma teve que voltar ao hospital que lhe deixou tantas lembrancas.
Apesar de ter que receber anestesia geral, tudo correu bem. Sexta feira ela voltou ao trabalho e disse que segurou o choro o dia todo. Não é fácil lidar com os comentários inapropriados de algumas pessoas, que não sabem lidar com a situação ou não quererem.
Bom, a vida continua e fiz minhas pazes com Deus...rs. Não foi culpa dele e de ninguém. Apenas aconteceu.
Logo apos meu post, vi o comentario da Lyanna e da Catarina. Meninas, nao sabem como vcs me ajudaram! Dormi mais calma e aceitando melhor que não era para esse bebe chegar aos bracos da minha irma. Ele teve o tempo dele, apenas 4 meses e como a medica disse, minha irma foi a escolhida para acolhe-lo. Me tocou muito, em especial, um trecho do comentário da Catarina la no post " o mundo anda sozinho e as coisas acontecem aleatoriamente". 
Acho que é verdade mesmo. Deus quer o melhor, e nos da forças para enfrentar esse tipo de situacao. Vem para amparar e é assim que rezo para acontecer todos os dias.
Me dói ela falar que não quer tentar novamente. Que não era pra ser, mas acredito que o tempo mudara as coisas e ano que vem ela poderá comemorar uma gravidez saudável e feliz.
Obrigada meninas ( Thais tb), que deixaram um apoio ou que leram o post e pensaram positivamente na minha familia. Que Deus ilumine cada uma, sempre!
Beijao!



domingo, 19 de outubro de 2014

Por que?

Queria primeiramente pedir desculpas. Não tenho intenção de assustar nenhuma  das amigas gravidinhas ou tentantes que passarem por aqui, mas precisava desabafar de alguma forma.
Lembram que comentei sobre a gravidez da minha irmã? Após 16 anos ela engravidou novamente, dessa vez de um rapaz boa gente  e ótimo marido. No início da semana ela completou 16 semanas e apesar de uma diabete gestacional, ouviu o médico dizer que tudo estava ótimo e ela estava de parabéns.
Na quinta ela resolveu pagar a parte uma US para ter certeza, já que US em hospital público é feito pouco. Dessa vez ela ouviu do médico que havia pouquíssimo liquido aminiotico e a encaminhou no mesmo dia para o hospital.
Vou poupá-las dos detalhes, mas foram 4 dias de sofrimento aplicando remédio ( aquele abortivo famoso) para a retirada do bebê, que provavelmente estava sem pulmão. . O coração demorou dias para parar, apesar da medicação. Ela sentindo ele mexer. Induziram ela ao parto e somente hoje o pesadelo acabou. Dores das contracoes e da alma , a imagem que ficará pra sempre na memória dela e a certeza que nunca mais tentará novamente.
Nesses 4 dias ela ficou no quarto com 2 mães com bebês rescem nascidos. Surtou ao entrar no quarto e improvisaram uma cortina para mais ou menos separá-la. Conversou com a psicóloga e ainda chora a todo tempo.
Eu sofri imensamente junto e estou com minha fé abalada. Qual a necessidade de tanto sofrimento?
Por que?
Perder o bebê já não teria sido suficiente? Havia necessidade do parto? De ver o feto? De ficar naquele quarto?
Até ontem falei que ela vai um dia se recuperar e tentar novamente, mesmo já estando com 38 anos, mas já não sei... Será que alguém se recupera de algo assim?
Minha vontade  é chorar e não parar nunca mais. Por ela, pelo bebê, por tudo... Como será que ela está se sentindo então?! E eu sem poder dar um abraço.
Eu estava separando tudo da Elisa p ela, sem mesmo saber o sexo do bebê e agora acabou. Acabou!
Como  não   pensar que Deus a fez sofrê-la tanto assim?
Não sei... Meu coração está em pedaços e pensei muito antes de vir aqui escrever. Não quero estragar com o dia de ninguém, mas precisava gritar a minha  dor e revolta.
Vou sumir daqui por um tempo. Todo e qualquer assunto passou a ser bobagem perto do pesadelo dos últimos dias. Quando tiver condições volto. Estarei qdo possível lendo os posts dos blogs. Preciso acreditar que há histórias felizes e que Deus não quis o sofrimento da minha irmã.
Um beijo!

terça-feira, 14 de outubro de 2014

Dia das crianças....só que nao...rs

ola,


estou dando uma passada para contar sobre a ultima consulta no pediatra. Nada fora do normal e tudo indo bem com o desenvolvimento da Elisa, gracas a Deus. O medico comentou que ela é magra, mas nada para se preocupar. Papai também é magro e comprido, entao é uma questão de genes mesmo...rs
Comecei a tentar acostuma-la a tomar leite na mamadeira. Para nao desperdiciar os poucos copinhos de leite congelado que ainda tenho, estou usando leite de formula. Comprei o leite exato para a idade e anti- alérgico também. Não quero que ela se acostume com formula e o importante na verdade é que se adapte a mamadeira.
Por que? Para que eu possa deixa-la com babysitter, com a vovó ou o papai quando surgir algo como consulta medica, passeio, ou outro compromisso. Ela tomando uma vez apenas ao dia, esta ótimo. 
Bom, depois de ter comprado o kit completo das mamadeiras Avent quando ainda estava gravida, resolvi arriscar outra marca para ver se ela gosta. Achei uma com bico parecido ao bico de silicone que mostrei no outro post e que ela não mama mais sem ( Oh céus!). 
O bico é achatadinho e diferente de todas as outras marcas que vi ate agora. A marca é MAM e é super reconhecida por aqui. 
Bom, ela tomou um pouco de leite e aceitou o bico prontamente. Na segunda tentativa chorou e só mamou no peito mesmo, mas na terceira mamou novamente aproximadamente 70ml com a mamadeira nova.
Continuarei tentando. Sinto que vai dar certo...
Continuarei também amamentando no seio ate 5 meses e meio e a partir dai sera formula e papinha.
Pelo menos esse é o plano..rsrs...
Tenho esperança de te-la tirado do peito ate irmos para o Brasil em Janeiro. 
Sei que é um pouco cedo, mas preciso de um tempo para mim. Voltar as aulas de alemão ano que vem, resolver burocracia de documentos no Brasil, ter um tempo para meu marido. Tudo isso, amamentando ainda não tem como e se o ideal seriam 6 meses, acho que 5 e meio não sera taaaaao cedo assim.

Sobre o dia das crianças por aqui, confesso que so lembrei quando era 9 pm...hahaha. 
Passei o domingo tao ocupada que nem lembrei. Posso dizer que a Elisa ganhou a mamadeira e o leite de formula de presente...kkkkk. 
Aqui essa comemoracao nao existe e ate que não acho nada ruim, ja que é puramente comercial.

Comprei novamente umas roupinhas no bazar de coisas usadas e voltei pra casa super contente. Comprei cerca de 5 blusinhas manga longa, mais 3 conjuntos de verao para levar para o Brasil e não paguei por tudo nem 30 reais. 
Comprei também um "carregador de bebe" tipo canguru para levar para minha irma ( que esta gravida) e paguei cerca de 25 reais, quando o preco de um novo gira em torno de 350 ou mais. Meu marido fala que fiquei viciada em baby Bazar...haha.



Sei que no Brasil não é comum, mas aqui NINGUEM carrega bebe nos bracos. Ou é no canguru ou no carrinho. Questao de segurança e praticidade. A mamãe fica com os bracos livres para pegar a carteira, fazer compras ou qualquer outra coisa e o bebe fica quentinho e agarradinho à mamãe. 
Quero comprar um ainda para mim porem de outra marca, que é mais fácil de colocar. Acho uma fofura.
Acho que essas sao as novidades. 
Tickets comprados e dia 13 de janeiro estaremos pisando em terras brasileiras. Iupiiii....mal posso esperar.
Beijao e otima semana para todas!


terça-feira, 7 de outubro de 2014

Enquanto isso, na casa da Elisa....

ola,

demorei para achar um tempinho para entrar aqui. Passei o olho em alguns blogs que sigo e vim aqui dar um oi.
Os últimos acontecimentos foram: casamento, viagem, cursos...

Nesse ultimo fim de semana viajamos para o sul da Alemanha para o casamento de amigos. Ufa! 7 horas de viagem. Conseguimos cumprir o percurso com uma parada para mamada e troca de fraldas. A Elisa dormiu quase que o tempo todo e so chorou nos ultimos 20 min. Aguentamos a choradeira, afinal, uma paradinha não iria aliviar muito no final. Fiquei morrendo de do de vê-la tanto tempo na assento de bebe, mas fazer o que? Precisavamos mesmo ir...
Na volta ela tb dormiu o tempo todo, mas com o transito, a viagem acabou durando 9horas. Aff! Chegamos tarde da noite e eu estava exausta. E a Elisa também, claro!
Bem, durante os 3 dias fora de casa ela se comportou como uma lady. Não chorou perto dos estranhos, nem quando estava com sono ou fome. Incrivel ! Mesmo exausta, aguentou firme cada momento e houveram muitos bracos e abraços para ela. Todos paparicando...rs
Ela nao é um bebe de muitos sorrisos, mas também não é "chatinha", entao ouvi um milhao de vezes o quanto ela é boazinha. O pai do noivo se apaixonou por ela e ate fazia piada se ela começava a resmungar.

Comecamos também um curso para mamãe e bebes semanas atras. Nem sei se comentei aqui. Sao diferentes atividades para estimular o desenvolvimento psicomotor do bebe. Cantamos, dançamos, brincamos, trocamos ideias e duvidas. Apesar de eu não conversar muito porque fico com vergonha e não sei falar muito, estou adorando. A Elisa tb. Apesar de cansada, so dorme mesmo quando termina a aula e vai para o carrinho.
Tirei uma foto hoje. A Elisa é o bebe sobre a toalha preto e branca.
Uma fofura ver todos os bebes juntos. Normalmente sentamos em circulo, cada uma perto do travesseiro de amamentação, mas hoje a instrutora pendurou esse varal com vários objetos: balão com agua, garrafa com canudinhos coloridos, sacola com algodão,  sacola plástica, etc. Achei super criativo!

A outra foto é do mobile de feltro que fiz para pendurar sobre o trocar. A Elisa nunca tinha nada para olhar, entao procurei na net e fiz parecido. Modestia a parte, o meu ficou ate mais bonito...hehehe.
Acho que no fim não ficou muito mais barato do que comprar um mobile, mas maridao me deu o maior apoio de fazer eu mesma. Ele adora quando faco essas coisas...rs.



Eh isso! Amanha é dia de pediatra. Volto para contar...
Beijao!


terça-feira, 23 de setembro de 2014

Cardiologista

Lembram que comentei que a Elisa tinha consulta medica? Entao...era no cardiologista.
Na ultima consulta com o pediatra, ele ouviu um leve chiado no peito da Elisa e recomendou leva-la ao especialista. Foi firme dizendo que não havia nada para se preocupar, mas que era padrão encaminhar caso ouvisse qualquer coisa diferente.
Passei dias apreensiva e não comentei sobre o assunto com ninguém. Claro, marido sabia...

Algo me dizia que não seria nada mesmo, mas mesmo assim estava contando os dias para ouvir isso do próprio medico.
Maridao tirou o dia livre no trabalho e fomos ate a clinica. 
Baby Elisa chorou horrores quando a assistente colocou os eletrodos nela, tadinha, mas era por uma boa causa. Entao o cardiologista veio, analisou o resultado e depois nos levou para a sala de ultra-som. Explicou que 50% da população tem uma "pelezinha" que vibra com o pulsar do coracao e que as vezes ela faz barulho quando esticada. Super normal! Nada para se preocupar.
Falou de boca cheia " Dein Baby ist ganz gesund" ( seu bebe é totalmente saudavel).

Oh alivio! Oh felicidade! Ufa! Gracas a Deus!

Saimos de la felizes da vida e eu fiquei bem agradecida do pediatra ser tao cuidadoso.

E as novidades da semana, ficam para o proximo post :-)






quinta-feira, 18 de setembro de 2014

Producao de leite

Eita, 2 posts no mesmo dia é luxo, ne? rsrs

Desde a semana passada queria comentar, mas faltou tempo.
Passei apertado em relacao a produção de leite.
Um casal viria na sexta a noite e ficaria em casa ate sabado a noite. Eu entao passei o dia correndo de um lado para o outro entre as sonecas da Elisa, limpando a casa, assando bolo, arrumando tudo. Correria total! Acabei comendo mal e bebendo pouca agua. 
No fim do dia percebi que meu seio não estava tao cheio. 

Dai a visita chegou, fui dormir tarde e tal...
No sabado a Elisa estava querendo mamar quase que de hora em hora. Achei que ela estava estranhando a movimentação, mas ao fim do dia eu praticamente não tinha leite. Oh desespero!
Marido e eu esquentamos o leite armazenado no freezer e a Elisa ( no maior berreiro) não aceitou a mamadeira de maneira alguma. 

No fim do dia ela dormiu e no meio da noite eu tive algum leite no seio para oferecer.
Domingo, apesar de nao ter muito leite, o dia correu bem. La pelas 20horas porem, choradeira, mamadeira, recusa.....e ela acabou dormindo. Resolvi ir ao medico no dia seguinte para saber o por que do meu leite estar sumindo. Reforcei minha ingestão de agua.

Nao consegui a consulta no mesmo dia, entao voltei la na terça feira, mesmo ja estando notando uma melhora da produção de leite.
Acontece que nessa mesma manha minha menstruação desceu....hmm..coincidencia?!

Conversando com a medica, ela me disse que não havia medicamento para aumentar a produção, recomendou muita agua, pouco estresse ( nada de visitas, faxina, etc) e que eu ligasse para a doula, que recomendaria um cha.
Nao garantiu nada, mas disse que muita atividade, estresse ou a chegada da minha menstruação poderia ter sido o motivo do problema. Eu acredito mais na ultima opcao.
Bom, mas a boa noticia é que meu leite voltou ao normal. A má noticia é que a Elisa esta agora numa fase de dar "piti"e chorar por longo tempo sem motivo aparente. Faz um escândalo quando tento dar de mamar, mesmo estando com fome e luta contra o sono. 
Sei que é fase, mas quase me leva a loucura! kkkk

Eh isso! Se acontecer com alguem de o leite sumir, recomendo dar o seio ( mesmo sem leite) para o bebe sugar e estimular a produção, beber muita agua e descansar. 

Beijos e ate a proxima!




Visita da assistente social

Calma gente! Nao fiz nada errado não....rs. A visita é regra aqui ( nessa cidade da Alemanha, não sei nas outras) e é apenas uma forma da prefeitura ter um controle melhor do bem estar dos bebes e família.
Quando recebi a carta dando opcoes de datas para a visita achei que era porque eu sou estrangeira e tal...bobagem! Depois descobri que a visita é super comum e acontece também com mamães alemãs.

Bom, achei que o visitante ( que na verdade não é bem assistente social, mas algo parecido) iria olhar a casa, querer ver onde o bebe dorme e tal. Dai dei um trato em tudo, inclusive na Elisa, que tomou um banho gostoso e ficou cheirosinha...rs.  No fim, um rapaz veio com um presente nas maos, entrou, perguntou se eu ja tinha me acostumado com a vida de mae, se estava tudo bem, se em caso de emergência eu teria alguém para olhar a Elisa, tirou umas duvidas sobre Bercario, perguntou se eu precisava de algo e foi embora. Passou o olho rápido na Elisa, que dormia no cestinho dela e só...rsrs
Sem estresse, afinal ele viu que ela esta bem e a família também.
Ai gente, mas o presente que a prefeitura mandou....que fofoooo...

Veio meias com a cor da bandeira da cidade, um colher de inox para papinha da melhor marca de talheres que tem aqui na Alemanha, um babador com o símbolo da cidade ( Leao), um brinquedinho e   um potinho bem pequenino de madeira para guardar o primeiro dente de leite. Alem disso, veio um livro de primeiras palavras com desenhos das atracões da cidade (o Shopping, museu, riozinho que corta aqui atras de casa...etc). Morri de paixão! Veio tudo nessa caixa que parece um bau...linda!

Ontem passamos o dia num parque junto com uma amiga brasileira e sua bebe. O dia estava lindo e curtimos bastante. A Elisa ja esta segurando os brinquedos e adorou esse ai da amiguinha dela...rs. Tirei foto da Elisa no carrinho por la. Na montagem não da pra ver, mas o parque é a coisa mais linda. 

Bom, é isso! Amanha a Elisa tem consulta medica, mas depois comento mais sobre o motivo.
Beijao!


terça-feira, 9 de setembro de 2014

Comprinhas para o bebe

oi meninas,


estava aqui passando roupa e resolvi fazer um post sobre as coisas que comprei para a Elisa antes do nascimento.
Como estava organizando o que quero embalar para mandar para minha irma, caso ela tenha uma menina, comecei a pensar nos acertos e erros das minhas aquisições em relação aos itens e roupas de bebe.
Sim, existem inúmeros blogs com esse assunto, mas acho que nunca é demais falar sobre. Cada um pode dar sua contribuição, não é mesmo?!
Passaram-se pouco mais de 2 meses e agora ja da para avaliar o que foi ou não util.
Bom, quando confirmei a gravidez de menina sai desvairada comprando tudo que sonhava. Comprei vestidinhos lindissimos e tentei coordenar minhas compras com a estacao do ano. Roupas P e PP mais fresquinhas, ja que seria verao e roupas mais quentinhas maiores, para a chegada do outono.
Acontece que a Elisa ganhou muuuuita roupa de verao pequena e no meio tempo, deu uma esfriada por aqui, dai ficaram varias para trás, ou que ela nunca usou ou que usou uma única vez.
A vantagem de ter um bebe no Brasil, é que as estações não são tao "marcadas". É possível ter um dia  mais quentinho no outono, por exemplo, ou mais fresquinho num dia de chuva no verão.

Eu sei que nessa historia aprendi muito. Sabia de antemão que não deveria comprar muita coisa: bebes crescem rápido,  perdem as roupinhas logo, bla, bla, bla. Dificil convencer uma futura mamãe disso. Mas esse discurso é bem verdadeiro. Da uma super dó ver no guarda-roupa coisas ainda com a etiqueta, ainda mais se foi presente, dado com tanto carinho.

O que eu recomendo é repensar o que comprar. Eu por exemplo, comprei muitas roupinhas para sair. Sabe, aquelas cheias de "fru-fru" e mimos que voce não colocaria para o bebe ficar em casa? 
Acontece que no  primeiro mês é mais em casa que voce ficara. Não tem jeito! Faltara tempo e disposição para sair por ai com um bebe que requer mamadas frequentes. Claro! Voce tambem não vai ficar hibernando em casa, mas as saidinhas serão poucas.
Dai que entra a questão modelitos. Voce não precisara de tantas roupas sofisticas. Eu diria uns 3 ou 4 modelinhos mais elaborados, que também poderão ser usados em caso de visitas em casa.

Compre mais o que voce precisara no dia a dia, como macacoes simples, body e pagaozinho tanto de manga longa, como curta, calcas e camisetinhas. Esses itens voce precisara o tempo todo. Paninhos de boca, fraldas de pano ( sao uteis em varias situacoes), mantas leves e cobertores tambem.

Se voce se apaixonou por um modelito lindo para o bebe e nao consegue resistir. Compre sim, mas nao exagere, ou vai acabar frustada como eu e ainda tera desperdiçado o dinheiro que poderia investir  em outra coisa importante para o bebe.

Falando em coisa importante, acabamos de comprar um baby monitor da Samsung para o quarto da Elisa. Genteee....que pratico. Nao instalamos ainda la porque ela ainda dorme no cestinho ao lado da nossa cama, mas eu ja estou usando a camera e a carrego para todo lado. Coloco a camera aonde a Elisa esta e levo o monitor comigo para poder ve-la. Dessa forma consigo limpar a cozinha, tomar banho, etc sem perder a filhota de vista. Em algumas semanas vou coloca-la para dormir sozinha em seu quarto, entao a camera sera essencial. O bebe chora e o monitor acende automaticamente, mostrando a imagem de onde o bebe esta. 
Acho que deve ser um item ainda carinho no Brasil, mas quem tiver condições e não tiver o quarto do bebe tao perto do quarto do casal, vale o investimento. 
Recomendo porem que leia bastante antes de comprar a camera. Ha inumeras marcas e nem todas tem as mesmas funções.

Espero ter ajudado!
Beijocas e boa semana.






sexta-feira, 5 de setembro de 2014

E a vida segue tranquila

Estou aqui para dar uma atualizada nas novidades. Bem, não são muitas. Maridao finalmente terminou a tese de doutorado ( ele é engenheiro) , fez apresentação e teste oral e passou com a melhor nota. Oh orgulho! Finalmente a Elisa poderá chamá-lo de Doutor Papai...kkkk. Brincadeira! Estamos sim felizes que agora ele terá novamente tempo para nós.
Nesse meio tempo a Elisa cresceu bastante, já sorri quando conversamos direto com ela e já consegue  sustentar melhor a própria cabeça. Está se desenvolvendo rápido e de modo saudável. Com isso, apareceu também o que chamo de "crise dos 2 meses". Alguns dias começa uma choradeira sem fim e que não é de dor, já que ela pára quando a colocamos sobre o trocador, por exemplo. Aliás, fato interessante: ela não gosta muito de colo e prefere ficar deitada do que nos braços de alguém. Vai entender....Enfim, aprendemos bastante e sabemos que o choro é de exaustão mesmo.
Ontem a levei ao pediatra e tivemos as duas que superar nossas dificuldades. Eu para entender tudo que o medico explicou ( em alemão, claro) e ela para agüentar as duas picadas de vacina nas pernas. No final, eu entendi tudo que era importante e ela acordou bem após a febre durante a noite que passou logo que apliquei supositório de paracetamol.
E a vida corre suave e como deve ser. Eu me deliciando com a vida de mãe e tentando manter as coisas nos trilhos. 
Estou lendo um livro interessante e quero mais pra frente fazer um post sobre ele. 
Por enquanto é isso! Segue a foto que nossa amiga Mima pediu. Tem como não sorrir ao ver?! rsrs




Ótimo fim de semana para todas que passarem por aqui.

domingo, 24 de agosto de 2014

Sumida basica

Ops! Desapareci, não é?!
Marido em casa de férias( porém terminando a tese de doutorado) acaba me mantendo ocupada o tempo todo...rsrs
Estava com saudades de vir aqui dar um oi.
Ando sem muitas novidades ou temas. A Elisa esta ótima e crescendo a todo vapor. Já estou começando a por de lado as roupinhas tamanho 50/56 e a por nela as de tamanho 62. O chato é que esfriou por aqui e tem vários vestidos de calor que ela ganhou que acho não terá oportunidade de usar mais.  Ainda tenho esperança que o outono espere e tenhamos alguns dias de calor.
Enquanto isso, tento programar o que fazer quando o frio chegar de verdade. Como ano passado, quero comprar lã e fazer mais um cachecol para mim. Quem sabe até um com ponto mais elaborado. Aprendi com minha sogra ano passado e vou tentar me aperfeiçoar esse ano com meu amigo " You tube"... Rsrs. Outro projeto é fazer um mobile para o quarto da Elisa. Poderia até comprar pronto, mas     DIY ( do it yourself =faça você mesmo) é mais divertido e me manterá ocupada por um tempo.
Comecei a ler um livro semanas atrás e quero termina-lo ainda esse ano... Kkk e por fim, quero aproveitar os dias de friozinho para curtir muito com minha moreninha.
Estou tentando me manter atualizada sobre o que as blogueiras que sigo andam postando. Ta difícil, mas  passando o olho nos blogs , vejo que estão todas bem. Que ótimo !
É isso! Assim que puder, volto. Beijao! 

terça-feira, 5 de agosto de 2014

Tempo de amamentacao

oi meninas,

vi uma reportagem essa semana de uma mulher que teve o bebe aos 61 anos. Como?
FIV e ovulo doado.
Segue a reportagem para quem quiser ler:

http://www1.folha.uol.com.br/equilibrioesaude/2014/08/1494782-mae-aos-62-anos-educadora-ainda-amamenta-filha.shtml

A questão da idade me chamou a atenção, mas é de outro assunto que quero falar: o tempo de amamentação. A mulher da reportagem ainda amamenta a filha que tem 2 anos de idade.
Coincidencia ou nao, andei pensando nas ultimas semanas ate quando vou amamentar a Elisa.
O que ouvi da pediatra dela é que o ideal é amamentar ate 4 ou 5 meses e ir diminuindo gradativamente as mamadas e introduzindo ja a papinha. Ou seja, parar de vez por volta dos 6 ou 7 meses.
Perguntei para a doula sobre o fato de algumas maes amamentarem por muito mais tempo que isso. Ha algum beneficio para a criança? O que ela me disse, é que é uma questão de escolha e o que os medicos recomendam é cerca de 6 meses mesmo. 
Andei lendo sobre isso e me parece que os nutrientes do leite são importantes mesmo nessa fase, mas não necessariamente apos. 

Entendo que é uma delicia amamentar e prover o alimento ao filho. Eu estou amando amamentar, mas não quero privar a Elisa de se desenvolver, dar um "passo" a frente e provar outras coisas. No tempo dela, é claro. Tenho a impressão que a necessidade de continuar amamentando por longo tempo é muitas vezes a dificuldade da mae cortar o "cordão" mae-filho ou de perder o titulo de "super mae" e acabo achando bem egoísta. Amamentacao é super importante, mas deve ser primeiramente pensada para o bem da criança. Claro, a criança vai reclamar de não ficar tao frequentemente no seio?! Vai, obviamente, mas vai por outro lado experimentar um mundo de sabores, nutrientes, vitaminas contidos nos outros alimentos e isso faz parte de seu crescimento também.
Pode ser que ela ja coma papinha e mesmo assim queira a "mamadinha" clássica só para dormir. Tudo bem! Devagar acho que da para ir mudando isso, sem trauma e nem pressão, mas manter isso a longo termo só para não perder o vinculo, é ao meu ver sem sentido, ainda mais quando a mae atribui a "culpa" a criança, sem nem ao menos ter tentado acostumar de outra forma.

Eu acredito que tudo tem seu tempo: de amamentar, ninar, dormir longe dos pais, tirar as fraldas. Tem que ser devagar, mas tem sim que acontecer. Faz parte do aprendizado e contribui para o desenvolvimento de uma criança segura, auto-confiante.
Vi muitos alunos meus  de 3, 4 anos ainda usando fraldas. Não sabiam as vezes nem como sentar no vaso sanitário e sempre achei mais traumático aprender na escola do que com calma, em casa, com toda a atenção dos pais.
Pode ser que nao seja tao simples, mas quero sim seguir a sugestão da pediatra e aos 5 meses começar a diminuir as mamadas da Elisa. Vou morrer de saudade dessa fase, mas ficarei imensamente feliz de vê-la indo alem, crescendo diante dos meus olhos.

beijos e boa semana!

quarta-feira, 30 de julho de 2014

Novidades úteis

oi amigas maes e futuras mamaes,

queria compartilhar algumas coisas que usei e ainda uso apos o nascimento da Elisa. 
Sei que tem inúmeros blogs com dicas e aprendi varias coisas com eles, mas esses itens que vou comentar aqui não havia visto antes e me ajudaram muito mesmo.

Conchas para seio
Um deles é a conchinha de silicone, que foi recomendação da minha doula.. Nem a enfermeira do hospital conhecia, entao é relativamente novidade por aqui tb.
Sei que existem varios tipos de conchas para os seios não ficarem pingando e molhar a blusa, mas eles são normalmente no estilo "absorvente". Esse que comprei é diferente: de silicone.
Ele adere super bem a pele do seio e "veda" para que o bico não fique pingando.
Claro, alguns dias eu tinha taaaaanto leite, que nem ele dava conta, mas eu adoro a concha de silicone, porque evita comprar varias conchas absorventes e tb porque é super pratica e lavável.
Maridao comprou sem me avisar depois de ver no curso de preparação do parto e me surpreendeu com o presente....kkkk.  Pagou cerca de 22 euros ( 60 reais) numa caixinha com 2 unidades. Não sei se existem outras marcas, mas a minha chama"lilypadz".

 

Bicos de silicone

Talvez ja seja comum no Brasil, mas eu não conhecia.
Meus seios estavam super feridos com tantas mamadas ao longo do dia. Doia muito mesmo para amamentar. A doula recomendou os bicos de silicone para que meus mamilos pudessem se recuperar.
Estou usando ate agora, mas logo acho que não serão mais necessários. A vantagem é que protegem o mamilo ferido. A desvantagem é que a longo prazo, o bebe pode se acostumar e não querer o seio sem a proteção. Eu deixo o bico de silicone de lado uma vez ou outra, para que a Elisa tenha contato com o bico do meu seio de vez em quando.
Custou 10 euros ( cerca 30 reais) o par da marca Medela. Comprei o tamanho M. Adere super bem ao seio porque é de silicone super fino e flexivel. Eh so molhar um pouquinho com agua. 
 

Saco de dormir
Pediatras nao recomendam cobertores sobre o bebe devido ao risco de sufocamento, entao por aqui é comum o uso de sacos de dormir. Nunca tinha visto antes no Brasil. Sao quentinhos, práticos e seguros. Eh so colocar o bebe dentro e não precisa cobrir com mais nada. A maioria são de zíper, mas existem também com grandes botões do lado. A vantagem dos de zíper é que da pra abrir toda a parte de baixo, dai não é preciso tirar o bebe do saco para trocar a fralda no meio da noite. A maioria são caros (30, 40 euros), mas comprei um por 15 euros e estou bem satisfeita. Coloco um body ou macacão de manga longa na Elisa e ela dorme bem aquecida, sem perigo.

Espero que tenham gostado das dicas. Se encontrarem esses produtos por ai, vale o investimento. Super recomendo!
Abraco!















Noticias!

Nos ultimos dias tive muitas boas noticias e uma ou outra não tao boas.
O positivo da Rose e da Lyanna me encheram ainda mais de alegria e vibrei demais por elas, que lutaram tanto para conseguir essa conquista. 
Por outro lado, o negativo da MMaria me deixou super triste, mas com a certeza de que ela ainda vai poder postar a alegria de um resultado de beta maravilhoso. Não perdi as esperanças por ela e nem pela luta das demais meninas do EF, porque aprendi que nessa vida de enfertilidade tudo é uma questão de tempo e paciência.

A surpresa da semana foi que recebi a noticia de que minha irma também sera mamãe, com 38 anos e apos 16 anos depois da primeira gravidez. Como ela era muito nova, não teve chance de curtir as coisas muito bem. Não estava com a pessoa certa e nem no momento certo, entao acho que agora sera sua segunda chance. Fiquei feliz por ela, apesar de ainda me doer nossas brigas no passado e não esquecer as coisas que ja ouvi. Infelizmente eu sou assim, não esqueço as coisas facilmente.
A questão é que ja estou na maior animação para mandar varias coisas de bebe para o Brasil, que sei que ela ira precisar e serão caras por la. Que meu sobrinho/ sobrinha venha com muita saúde ao mundo.

Comigo e com a Elisa, tudo bem.
Ela tem me dado algumas boas 3 ou 4 horas seguidas de sono durante a noite e continua crescendo e ganhando peso na velocidade da luz. Cada dia mais fofa e eu cada dia mais apaixonada.
Notei também que meus hormônios andam um tanto loucos. As vezes bate uma tristeza danada, me emociono a toa e nem sei exatamente porque. Estou com saudade de ser eu mesmo, mas sei que leva tempo.
A certeza porem é de que sou muito abençoada com o marido e filha que tenho e não poderia ser mais agradecida a Deus.

Abraco e se cuidem!




segunda-feira, 21 de julho de 2014

Coisas que descobri...

Oi meninas,

Tanto acontecendo e falta tempo para passar por aqui. Sorry!
Nos últimos dias minha vida virou " amamentar, trocar fralda, amamentar, trocar fralda..." Nao necessariamente nessa mesma ordem. Rsrs
Antes da Elisa nascer eu me perguntava porque as novas mamães as vezes abandonavam os blogs. Pensava: " poxa, não sobra tempo para postar nem quando o bebe dorme?!"  Agora sei: NÃO sobra, gente! Sério! 
Quando a Elisa dorme, fico escolhendo entre comer, organizar um pouco a casa, por roupa para lavar, organizar o quarto dela, usar o banheiro, tomar banho e lavar o cabelo, tirar leite com a bombinha ou o mais legal de tudo, dormir. Hoje consegui completar somente algumas dessas tarefas.
Não estou reclamando, mas confesso que a vida vira de ponta cabeça e estou tentando me organizar. E nessa fase posso dizer que aprendi e descobri muitas coisas.  Resolvi listar aqui. Talvez ajude as  tentantes/ fivetes de plantão quando chegar o maravilhoso  momento de ter o bebe nos bracos.

1.  Parto
-  parto na banheira parece ser super  legal, mas agora vejo que é questão de gosto mesmo. A doula  me fez entrar na banheira na noite anterior ao parto para relaxar enquanto  tinha contrações. Achei a água  morna pouco relaxante. Se não for  bem quente, não gosto. Além disso  não é possível receber anestesia  se for parto na banheira. Complica, né? Kkk
-  a injeção da anestesia nas costas dói menos do que tirar sangue no braço. Palavra de quem recebeu varias agulhadas na coluna!
- parece coisa de filme, mas respirar corretamente  ajuda lidar com as contrações.  Respirar profundamente  pela barriga. Como assim pela barriga? Louco né ?!  É só imaginar que os pulmões estão na barriga, encher de ar, segurar uns segundos e soltar bem devagar. Eu, por exemplo, me imaginei um balão. As contrações vinham, eu olhava para barriga, via ela encher  e imaginava" sou um balão"., me concentrando no movimento do ar entrando.  Aprendi no curso e  funcionou mesmo.
Parece que doi menos.
- dor de contração é suportável. Dói bastante, mas da pra agüentar sim. Recebi a anestesia quando estava com 4 " dedos" de dilatação e não estava gritando de dor  nem nada. Teria agüentado mais um pouco sim. Claro, sentir dor é relativo, mas achei que seria pior.
- não dói quando o bebe está passando pela vagina. Sempre achei que essa parte que doia, mas com anestesia não. O que doi é a contração. No final minha anestesia estava passando e as contrações vieram fortes. Só assim pude saber quando empurrar. 

2.PÓS PARTO
-a vagina pode ficar inchada. Eu senti bastante dor para sentar. Muita mesmo. Durou umas duas semanas e posso dizer que foi a pior parte da recuperacao. Isso aconteceu comigo, mas li relatos de quem fica super bem depois, sem dor nem nada.
- eu já sabia, mas não imaginei que era tanto: há sangramento forte por cerca de 3 semanas após o parto. O útero vai limpando e essa parte é bem importante. Acontece principalmente enquanto o bebe está sugando o seio. Da uma cólica chata é necessário absorventes hospitalares enormes. Pra vcs terem ideia, logo após o parto a enfermeira colocou 3 em mim. Tipo fralda mesmo. Fiquei usando assim por  mais de uma semana. Começa com sangue vivo, após alguns dias marrom e depois aguado e bem fraco.  Não há absorvente comum nenhum que de conta de tanto sangue no início. 

3.AMAMENTACAO
-amamentar é uma ciência. Tem varias técnicas para acontecer certinho .
- doi somente se o bebe não estiver abocanhando o seio da maneira correta.
- quase toda auréola  do seio tem que ficar dentro da boca do bebe. Uma boa técnica eh esperar ele abrir bem a boca e aproveitar o momento para literalmente empurrar todo o mamilo na boca do bebe.
- quando o leite desce e o peito fica muito cheio e empedrado, a solução é remover o máximo de leite possível, seja oferecendo o peito para o bebe ou com a bombinha. Parar de amamentar por causa da dor, só piora mais a situação. Eu recomendo já  planejar a compra de uma bombinha. Dói menos do que o bebe sugando o peito dolorido.
- quando o problema for resolvido, não usar a bombinha entre as mamadas. Quanto mais se usa a bombinha, mais o corpo produz leite. Tirar leite sempre depois que o bebe mamou.
- para quem tem pouco leite, seria o oposto. Quanto mais o bebe suga ou se tira com a bombinha, mais a produção aumenta( há casos que nem assim há mais leite, mas vale tentar o máximo possível).
- levar pelo menos 2 sutiãs de amamentação para o hospital. 

4.. BEBE
-por aqui não se da banho em recém nascido todo dia. Um ou dois banhos por semana e nos outros dias somente paninho úmido nas dobrinhas. Achei absurdo, mas tenho que dar o braço a torcer. Minha bebe estava sempre limpinha mesmo assim e não precisei fazer absolutamente nada no umbigo dela. Caiu sozinho em  5 dias. Desde o nascimento , ficou sem curativo nem nada  e com um clip de plástico.  
- menos é mais! Aqui também não recomendam uso de lenços umedecidos, hidratantes, shampoos,  pomada de assaduras, etc. O quanto menos produtos melhor. Fiquei e ainda estou morrendo de vontade de usar a linha mamãe bebe, mas estou resistindo. A Elisa não teve nenhuma assadura, nem problema de pele. Com o tempo vou incluir esses produtos no momento " beleza" dela... Rsrs. Talvez esse modo " natureba" não seja tão ruim assim. 

5. AJUDA
- descobri que ter um bebe sem ajuda é tarefa pra "ninja". Tiro o chapéu pra quem é mãe solteira . Se pra mim já foi difícil, imagine pra quem não tem um companheiro ao lado. 
-ter uma doula ajudando foi essencial. São 8 semanas com alguém para tirar minhas dúvidas. Adorei o luxo!  Por mim ela continuava vindo em casa até a Elisa completar 18 anos... Kkkkk

Lembrando , tudo que descobri pode ou não acontecer. Nessa vida de gravidez/bebe nada é absoluto. Porém, apesar de tudo que li antes, durante e depois da gravidez, ainda aprendi mais. Aliás, acho que o aprendizado será pra sempre.

6. AMOR
Estou aprendendo a amar minha pequena cada dia mais. 

Beijao e boa semana ( melhor ainda porque Deus vai abençoar com lindos positivos para nossas amigas Rose e Lyanna :-)






terça-feira, 15 de julho de 2014

Noticias da nave mae...

Sim, digo que sao noticias da nave mae porque pareço estar em outro planeta.
Vou tentar resumir os acontecimentos dos últimos dias.

Basicamente tudo se organizando. Continuo acordando 3x durante a noite e tirando umas sonecas durante o dia para me recuperar.
Maridao tirou licenca paternidade parcial e vai para o escritorio 2x por semana, dessa forma não fica muito tempo longe do trabalho e nem muito longe da Elisa e de mim.
Continuo amamentando bem, mas com muuuuita freqüência também. Segundo a doula, é normal e melhor muito do que pouco, mas ando bem cansada.
Recentemente introduzi a mamadeira. Retiro leite com a pombinha uma vez por dia e dou na mamadeira, para que a Elisa acostume também. Ela detestava, mas hoje ja aceitou a mamadeira super bem.
Voces devem estar pensando: "Como assim?! Pra que mamadeira?!"

Eu também pensava, ate a Elisa se "esgoelar" um dia que eu estava no banheiro tentando lidar com meu intestino, que anda dando muito, muito, muito trabalho. Ela chorando, eu esperando o supositorio fazer efeito ( kkkkk) e marido e sogra sem poder fazer muita coisa para controlar a situação.
Eu ja tinha visto uma amiga dar o leite do seio na mamadeira também 1x ao dia e não tinha entendido a ideia. Agora sei...rs. Em caso de emergência, ajuda muito. Alem disso, marido ou qualquer outra pessoa da família pode alimentar o bebe a noite, por exemplo, para que a mae durma um pouco mais. No nosso caso, eu nem acordo o marido, que dorme feito pedra. Acabo eu mesmo amamentando no meio da noite e conto com a ajuda dele durante o dia.


Um episodio decisivo para essa ideia da mamadeira ocorreu também essa semana.
Resolvemos dar uma volta na cidade e trocar uma roupinha que a Elisa ganhou de presente e estava pequena. Amamentei bem ela antes de sair de casa e ela foi dormindo. Acordou quando estavamos na loja ja no maior berreiro. Procurei um local para amamentar, ela ficou satisfeita e caiu no sono novamente. Dai o marido resolveu comer la no shopping. Em menos de 30 min depois, assim que dei a primeira garfada, ela acordou chorando alto novamente. Sai com o carrinho procurando a salinha de amamentação. Elevador cheio, um calor danado, ela berrando a plenos pulmões e todo mundo olhando com dó dela e acho que de mim também, que alem de parecer exausta, estava com a maior cara de desesperada. Para piorar, mesmo o shopping sendo minúsculo e eu conhecer cada centímetro, perdi o andar onde o fraldario estava e rodei nessas condições mais um tempão de elevador com ela chorando.
Nesse ponto, eu sim ja estava com o choro na garganta de tanto desespero.
Ufa! Chegamos no andar certo, no fraldario e fiquei la um tempão. Amamentei, troquei fralda e ainda amamentei mais um vez para garantir.

Um erro: ter saído sem a mamadeira de leite.

Ta! Os seios eu levei....kkkk, mas aqui as coisas são diferentes.
Ninguem sai tirando " as tetas" para fora e amamentando em publico e eu não sou nada contra essa ideia, apesar do sufoco que passei.
Nao me incomodo se alguém amamentar do meu lado, nem um pouco, mas eu, euzinha, acho que seio é seio e não gosto de ficar me expondo por ai. Claro, ja vi estrangeira amamentando em publico por aqui. Ninguem reclama e não irao expulsar a pessoa, mas para os europeus isso é um pouco estranho. A cultura é outra e pronto!
Sei que o assunto é polemico e nem vou entrar em minúcias, mas não saio mais sem a mamadeira a tira colo. Aprendi a licao...rsrsrs
Quanto a estar em outro planeta, digo porque devido ao cansaço, a mudança hormonal, a nova vida ou sei la o que, sinto que não sou mais eu mesma. Tudo parece surreal! Não negativamente, mas simplesmente diferente. Meu mundo se tornou "servir, proteger, alimentar e estar a disposição" da Elisa. Não sobrou muito de mim. Assustador, mas estou muito feliz em te-la nos meus bracos.

Ufa! Sacrifiquei a soneca da tarde para ler todos os blogs que acompanho, deixar recados e postar. Consegui!
Leio cada recadinho que voces deixam. Adoro! So falta tempo para responder separadamente cada um.

Beijao e otima semana para todas!



sábado, 5 de julho de 2014

Elisa, nossa filha amada!


Essa é a Elisa! Nossa filha!
Nasceu com 3.160g, 50 cm, as 15:33 ( horário alemão), do dia 24/06/14.

Com poucos dias já descobri que ela gosta de mamar a prestação, dorme mais pesado de dia, do que a noite, gosta de passar um tempão nos observando e detesta as trocas de roupa. 
Recuperou em 5 dias o peso que perdeu após o parto e é a coisa mais linda acordando, bocejando e se espreguiçando. Todo mundo fala que eh minha cara ( coitadinha... Kkk), mas eu acho parecida com meu marido.
Me faz feliz, muito feliz!





Das emoções dos primeiros dias

SOBRE O PARTO
Como disse, queria escrever sobre as emoções dos últimos dias: parto, amamentação, ser mãe e mesmo assim esposa.<br />
Já comentei que não me arrependo de ter escolhido parto normal. Não por achar bonito ou coisa parecida, mas por ter a chance de experimentar a força da natureza, conhecer meus próximos limites e poder ser a protagonista da história dessa vez. Mesmo dependendo de indução, sentir meu corpo agindo foi algo incrível. Confesso também que queria saber se a dor é tão terrível como diziam.<br />
Digo uma coisa: dói, mas nada que não de para suportar.<br />
Senti as contrações de 4 cm de dilatação e não sei que nível de dor senti quando esperei no fim o efeito da epidural passar. O que sei é que descobri que o que dói são as contrações e não a passagem do bebe pela vagina. Bom, isso com anestesia, já sem... Não sei e nem quero descobrir... Rsrs<br />
Poderia ter sido mais fácil? Sim! Mas estou imensamente &nbsp;feliz e orgulhosa de ter conseguido.. Uma emoção sem tamanho sentir o calor da minha bebe no meu &nbsp;peito, quentinha,, toda suja, o alívio da dor e a alegria de vê-la ela primeira vez.

SOBRE A AMAMENTAÇÃO 
No dia que recebemos alta meu " leite desceu". Cheguei em casa com os peitos explodindo e em questão de horas estava com febre. Ligamos para minha doula e ela veio imediatamente ajudar. Oh comodidade ! Fez massagem, ordenhou gota por gota, buscamos a bombinha elétrica na farmácia e a noite já não tinha mais dor. Tomei um paracetamol contra a febre e fiquei bem. Segundo a doula, se a febre chegasse a 38.5, eu teria que voltar para o hospital, então posso dizer que a ajuda dela me salvou.
Com o passar dos dias, amamentar foi ficando cada vez mais fácil.
Apesar do bico do seio ainda doer muito quando a bebe inicia a  mamada, posso dizer que é um prazer prover o leite que alimenta minha filha. 
Volto a dizer também: ninguém é menos mãe porque usou mamadeira. Amamentar é dificílimo no início. Fiquei quase louca no hospital quando so tinha o colostro. Ela chorou na segunda noite até as 4am.  Eu estava cansada, com sono atrasado das noites anteriores, com dor os pontos do corte no perineo, fraca pq perdi mais sangue do que o normal e para piorar a temperatura dela estava baixa.
Quase surtei ! Muita coisa ao mesmo tempo.
Entendo o desespero de quem não tem leite suficiente e é obrigada a render-se a mamadeira e fórmula.
Vale tentar e tentar? Sim! Claro! Mas voltamos ao clássico" todo mundo tem um limite". 
Então, se der para amamentar no seio, ótimo! Se não tiver mesmo como, paciência!

SER MÃE 
Ufa! Só estou no início e já admito: não é fácil. 
Achei que o desafio seria somente acordar de madrugada, mas foi tanta informação antes mesmo do parto, que  agora sei que a luta não é " bolinho não ".
No hospital, o bebe fica no quarto com a mãe. Há uma sala bem grande para trocar fraldas e amamentar. Tem de tudo que vocês imaginem: roupas para o bebe, bercinhos móveis, bombinhas, travesseiros de amamentação, aquecedores sobre o trocador, etc. Nesse local, aprendi a colocar o travesseiro na altura certa, segurar o bebe, como favorecer a "pegada", massagear o seio, medir a temperatura do bebe, mante-lo acordado durante a mamada, etc. Tudo isso estando com sono, cansada fisicamente e psicologicamente. Vocês ja podem imaginar, né?!
Eu fui para o hospital achando que minha experiência com Ed. Infantil iria facilitar minha vida como mãe  já no  início. 
SABE DE NADA INOCENTE! Kkkk
Mesmo porque minha experiência é com crianças acima de 1 ano. 
Aprendi muito mais em 10 dias como mãe, do que em 2 anos de estágio. E continuo diariamente aprendendo. 
Ainda me pego surpresa pensando que aquela coisa fofa ali no berço é parte de mim e do meu marido. A ficha está caindo bem devagar. O amor vai crescendo diariamente e estou simplesmente amando . Felicidade pura! 

SER ESPOSA
Não pensei que seria assim, mas nao sobrou tempo ainda para curtir o marido. Muito mal um beijo aqui e acolá  , ou um abraço de conchinha no fim da noite. 
Talvez quando a sogra for embora fique mais fácil ( ou mais difícil... Kkk). Sei que estou carente! Não tenho tempo , no entanto, para mim. Nem para nos. 
Acho que essa parte também vai se organizando conforme a bebe for crescendo. Espero...

Beijao e obrigada por cada visualização do blog e cada comentário.

Ps. Segue post com a foto da minha princesinha.





quarta-feira, 2 de julho de 2014

Relato do parto ( parte 2)

Continuando...
O medico anestesista chegou, falou que tinha 30 anos de experiência e que não iria doer.
Não tenho medo de injeção e estava aliviada de me livrar das dores, então nao me preocupei muito, até que ele tentou uma vez e não achou o local. Senti a picada, uma queimação. Ele tentou novamente, pediu p relaxar,  a assistente me pressionou ainda mais para frente e novamente ele não encontrou o local. Já comecei a me preocupar. O suor escorria por baixo do braço. Mais uma tentativa        e resolvi contar as florzinhas do meu avental para me acalmar. Não sei se ele tentou uma ou mais duas vezes, mas funcionou. Senti a tensão no ar, acho que dei trabalho, mas  ele me explicou que tenho apenas 1mm entre uma vértebra e outra, por isso a dificuldade. Ufa! Quase que caio num parto quase que humanizado (sem intervenção medica ) mesmo sem querer....rsrsrs

Relaxei , as dores passaram e fiquei por ali, esperando. O medico veio, explicou que se eu sentisse dor poderia apertar o botão de dose de anestesia, mas não muitas vezes. Também explicou que eu deveria aumentar 1cm por hora nas próximas horas., caso contrário seria necessária uma cesaria. Me deu  medo. Muito! Depois de todo o caminho percorrido...
Alguns minutos depois, senti as contrações voltando e apertei a dose de anestesia. Logo em seguida, uma outra medica que acompanhava meu caso veio e fez exame de toque: 7cm de dilatacao. Uau! Quase pulei da cama e dancei macarena  de felicidade... Kkkk
Dai veio a doula e perguntou : "vc não apertou a dose de peridural , apertou? " hello! Me falaram  que podia...

Lá vai eu esperar o efeito passar p poder sentir as contrações e começar a empurrar. Oh céus, e aconteceu...o efeito diminui e elas vieram. Empurrei, empurrei e sentia que a bebe não movia. Estava, segundo o medico , super encaixada, mas não saia. Eu quase caindo no sono entre as contrações. Um cansaço insano e fiquei mais de meia hora nesse empurra-empurra sem resultado. 
O medico voltou, falou que usaria o aparelho de vácuo para puxar a bebe.
Não era o que queria, mas nesse ponto eu teria aceito qualquer coisa. Já estava exausta, preocupada e com dor. 

Graças a Deus, no curso de preparação do parto, a doula tinha nos mostrado esse aparelho. Experimentamos até no braço...rsrs. Ele consiste num aparelho parecido com o que medico usa para ouvir o coração, porém de plástico, que gruda a vácuo na cabeça do bebe e ajuda o medico a puxa-lo. O chato eh que deixa um " galo" na cabeça , mas que não oferece perigo e desaparece em dias. 
E assim, fui orientada a empurrar durante a próxima contração, sem puxar o ar. Empurrei, empurrei e ouvi o aparelho escapando. Mais uma vez o medico o colocou e  empurrei. Já não tinha forças e estava sem ar, mas me concentrei no marido falando no meu ouvido " empurra baby! Empurra!" Em inglês , enquanto o medico falava" continua, continua  a empurrar" em alemão. 
Digo uma coisa: sem o marido lá não teria conseguido empurrar. Estava a um segundo de desistir. 

E dai senti ela saindo: um alívio na dor, uma sensação escorregadia e ela vindo para meu colo. Chorei, falei pra ela que tínhamos conseguido.
Fiquei com ela ali, toda cheia de sangue ( por causa do corte no perineo que  nem vi ou senti acontecer) sentindo o calor do corpinho enrrugado dela. Que felicidade!
Comecei então a sentir a audição sumir. Ia desmaiar. Meu marido comentou que uma das medicações estava pingando rápido demais. O medico estava ocupado costurando o corte. Enfermeira e doula cuidando  de sei lá mais o que. Pegaram a bebe,  marido ficou perto dela no balcao, enquanto levantavam minhas pernas. Ouvi a medica dando bronca em alguém por causa da medicação e marido e eu chegamos a conclusão que alguém errou por lá.

Fui melhorando e perguntei se ninguém ia cuidar da bebe. O medico disse que ela estavam chorando e estava bem. Só sosseguei quando a levaram para sala ao lado para os exames. Tudo ok , apesar do galo na cabeça. 
Ui, pude sentir cada ponto que o medico ia dando. Doeu um pouco. 
Esperamos um tempão, limparam sala, minha sogra chegou e finalmente nos  levaram para nosso quarto.
E foi assim... Consegui, conseguimos! Dei a luz a uma menina cabeludinha, saudavel, que mudaria  nossas vidas para sempre.
Minhas impressões, emoções e etc sobre a experiência de um parto normal fica para o próximo post. :-)

Beijos e obrigada pelos recadinhos. Não respondi ainda cada um lá, mas o farei em breve. 

Relato do parto ( parte 1)

Cheguei finalmente aqui para contar como foi o parto. Como eu queria, foi sim normal, porém não tão fácil como li em relatos na net, e nem tão difícil como outros que também li.
O que quero dizer primeiramente é que estou totalmente satisfeita com minha escolha.
Depois de completar 40 semanas, minha medica não estaria no consultório e pediu para eu ir até o hospital para controle na sexta-feira. Fui, fizeram exame de cardiotoco, US, etc. Tudo ok. Voltei para casa e voltaria novamente no domingo. 
Domingo voltamos no hospital e eu sempre com contrações leves ( desde semanas antes) e esperando ansiosamente elas aumentarem. Nem levamos mala e nem nada, mas eis que o medico disse que ficaria por lá, para começar a indução. Questionei, já que o plano de indução estava previsto para terça, mas o medico explicou que queria começar logo, já que poderia demorar dias até a indução funcionar.

Sorte nossa que o hospital eh perto de casa e maridao pode facilmente voltar p buscar as malas. Não conseguimos o quarto de família, pq estava ocupado mas mesmo assim aceitamos nos espremer num comum e colocar outra cama. Claro, com o mesmo custo do quarto gigante especial, mas eu realmente queria o maridao por perto o tempo todo. Sabia decisão!
Bom, começaram a indução de um modo natural , me dando  Shake de chás, amêndoas e sei lá mais o  que .  Tomei, as contrações não mudaram muito e de hora em hora  tinha que fazer o cardiotoco. O domingo acabou e nada aconteceu .

Segunda-feira comecei o dia recebendo a aplicação de um gel vaginal para desencadear as contrações, que aumentaram um pouco, mas nada expressivo.
Para voces terem ideia,  eu levei um livro p o hospital  e carregaca comigo  a cada exame de cardiotoco. Nada animador para os médicos e doulas, que esperavam minhas contrações embalarem...kkkk. A tarde,  recebi novamente o gel e as contrações aumentaram. A noite, quando o Brasil jogava, eu ja estava com bastante dor, porém ainda tentando assistir o jogo. A doula daquele plantão comentou que eu iria tomar um remédio para dor e um para relaxar e dormir . Eu não concordei, com medo de reduzir as contrações. que finalmente apareceram, mas ela insistiu e argumentou que precisava descansar para ter forças no dia seguinte.  Acabei aceitando, mesmo detestando  a doula desse plantão. Uma louca gente! Vcs nem tem noção...

A primeira parte do jogo eu perdi por causa do exame de cardiotoco e quando pensei que poderia assistir , a doula quase que me forçou a entrar na banheira para relaxar. Oh nervo! Não relaxei e congelei naquela água morna. Banho de banheira p mim tem que ser igual escaldar frango, mas claro não podia.  De madrugada, passei a noite andando pelo quarto com contracoes fortes, mas só um cm de dilatação. Resumindo, não descansei e acho que fiquei ainda mais exausta por causa do remédio. Maridao caiu no sono e  a enfermeira  veio perguntar se deveria ligar p a doula louca voltar p o hospital ( elas não ficam lá de madrugada ), mas eu me mantive firme e disse estar bem.  Não queria a louca por perto es rezei para as coisas acontecerem pela manhã, com outra doula. 
As 6am fui para a sala de cardiotoco pela milionésima vez e quem estava lá? A louca! Naooooo!
Ufa! Ela só me apresentou a doula do próximo plantão e foi embora. 

Continue nessa de quarto, cardiotoco, exame de toque , até que  cheguei a 4 cm de dilatação . Nesse momento a doula explicou que dariam medicação mais forte p as contrações, mas como eu já estava cansada , dariam também a anestesia peridural . Questionei que era cedo demais, mas fiquei com medo de esgotar minhas forças com as dores que estavam por vir.
Aí, ai....epidural ... Nem conto... Aliás, conto.... Lá na parte 2 ....

domingo, 29 de junho de 2014

Elisa nasceu!

Nossa, parece um ano que postei pela ultima vez, mas como prometido, voltei para contar que minha princesa chegou a esse mundo dia 24/06 as 10:33 ( 15:33 aqui na Alemanha), pesando 3,160kg e com 50 cm. E adivinhem? De parto normal, como eu queria.
Minha gente, não foi fácil viu. Aliás, melhor dizendo, meu caso não foi fácil, mas é assunto para outro post.
Só sei que agora entendo porque as novas mamães somem assim que ganham os bebês e deixam as leitoras do blog  na mao: não sobra tempo pra nada. Sempre pensei " poxa, não da tempo de postar nem quando o bebe dorme?". Não, não da... Kkkk
Bom, mas para resumir... As coisas estão sendo organizadas aos poucos. Estamos nos adaptando.
Eu feliz da vida e acostumando com a ideia de ser mãe e maridao derretido ao último grau.
A Elisa é super boazinha, mas tem dado trabalho de madrugada. Hoje a noite tentaremos usar a chupeta para ver se acorda menos vezes. Até mesmo a doula comentou que a danadinha esta usando meu seio como chupeta.
Logo eu, que era super contra chupeta, me rendi.
Bom, tenho muito pra contar e assim que sobrar um intervalo, venho aqui, ok?!
Ai, ai... digo uma coisa, to adorando a dura vida de mamãe!
Bjao!

quinta-feira, 19 de junho de 2014

Escolha do parto

Vamos falar de parto...

Esse tema deveria estar na lista de temas tabus, alem de religião e futebol...rs. As opiniões divergem muito, mas vamos la...
Todo mundo que conheço no Brasil teve parto cesárea. Amigas, primas, minha irma, etc. Sempre achei que era mais cômodo, menos doloroso, comum. 
Quando a ideia de ter filhos ficou mais real na minha cabeça, comecei a repensar esse conceito. Por que forcar algo que pode acontecer naturalmente. Dor? Dever ser fortíssima, mas se outras mulheres aguentam, eu também poderia.

Antes mesmo de engravidar, comecei a ler mais sobre o parto normal.
Tudo ficou bem menos assustador e os depoimentos sobre o parto normal realmente me cativaram.
Eis que aqui na Alemanha e pelo que sei, na maioria da Europa, cesárea só eh feita quando extremamente necessária.
Claro, eu ja sabia que o Brasil é campeao em cesareas, mas nao imaginei que essa reputação fosse tao condenada no mundo la fora. Alias, não sabia que havia um outro lado da moeda: países que pensam exatamente o oposto.

Acontece que o parto normal é muito mais benéfico para mae e o bebe do que a cesarea e nao falo isso somente por "achismo". Os estudos científicos comprovam. Logo, realizar tantas cesáreas sem necessidade aumenta muito o risco de futuras complicações.
Eu, que nunca fui submetida a nenhuma cirurgia, não me animei nenhum pouco com a ideia de passar por uma cirurgia desnecessária e perigosa. Pior ainda: passar dias dependendo dos outros e curtindo com limitações os primeiros dias de vida da minha filha.

Nao, nao acho que é mais mae que teve parto normal. Alias, nem acho que gerar o bebe por 9 meses faz de alguém mais mae do que qualquer outra. Defendo somente o que acho mais viável para meu corpo e mente.
Sei também que ha extremismo. Grupos que condenam totalmente parto cesárea.
Acho que um balanço é a "chave do negocio".
Li em algum lugar alguém falando " cada um sabe o seu limite" e concordo plenamente. Porem, não acho certo condenar um ou outro meio sem se informar primeiro.

E assim chego a realidade que me rodeia. Aqui na Alemanha fala-se somente em parto normal. Ha curso preparatório, doulas disponíveis, o convênio envia ate bola de yoga para sua casa se voce quiser começar com exercícios pre parto. O hospital da palestras mensais sobre o parto para os futuros pais, etc. Os medicos nem perguntam " vc vai querer ter normal?" porque seria quase que absurdo.
 Acho tudo isso super interessante, mas o que sera que acontece se a mulher realmente NAO quer um parto normal? Forcar alguém vencer o medo pode tambem ser bem traumático. Acho que o parto normal envolve muito o controle da mente e se a mulher não tem esse controle, tudo se perde no caminho. Complicado, ne?
Uma amiga alemã que esta com tempo de gestação ao meu me falou estar surpresa com minha decisão de parto normal, pois morou no Brasil e sabe como as coisas são por la. O engracado é que ela parece estar com mais medo do que eu, mas não cogitou em nenhum momento ter cesárea.
Dai entramos na questão cultural, econômica, social. A cultura aqui é outra.

Nao tem como negar que parto cesárea beneficia muito financeiramente o medico, traz comodidade para a equipe medica, que não precisa ficar a disposição da gestante e facilita a organização da família, que pode se programar para o grande dia. Tudo isso é secundário por aqui: a prioridade é a saúde da mae e da criança. E eis que a gestante passa de coadjuvante à protagonista! 
Alias, li num dos comentarios do link abaixo, a autora reforcando que medico nenhum faz um parto normal. Quem faz é a mulher/mae  e o medico so funciona como assistente. Verdade, ne? Nunca tinha pensando nisso...rsrs

Como eu disse, nao condeno quem escolhe ter um parto cesárea, mas vale ler e se informar primeiro antes de partir para um metodo tao invasivo.
Posso sim ter que passar por isso, mas reforço que so deixarei acontecer se for realmente a ultima opcao. ( para o desespero da minha mae, que acha um absurdo eu querer passar por um PN)

ps.achei um artigo/blog super interessante sobre o tema. A autora aborda bem essa discussão e adorei o modo como ela se coloca. Os comentários também valem a pena: super polêmicos.
Fica a dica: 
http://amaequequeroser.wordpress.com/2012/03/29/quer-dizer-que-voce-quer-parto-normal/

Eh isso...respeitando todas as opiniões, queria expressar a minha escolha. Fiquem livres para comentar..